Quinta, 27 de Junho de 2019
Sem carteiras, alunos sentam no chão em escola onde ventilador pegou fogo no Timbó
Esplanada
Sem carteiras, alunos sentam no chão em escola onde ventilador pegou fogo no Timbó
Informações: Redação Enews
Postado 24/05/2019
Imagem: Reprodução/Redes sociais

A mesma escola onde há pouco mais de um mês um ventilador pegou fogo numa sala de aula voltou a ser destaque negativo nesta sexta-feira (24) após o compartilhamento de imagens que denunciam as péssimas condições de ensino que passam os alunos da escola Lucília de Assis Santos, no Bairro do Timbó em Esplanada.

Nas imagens é possível observar alunos sentados no chão de uma sala de aula com as carteiras parcialmente destruídas, paredes riscadas e janelas com tampões. Por falta do braço onde é colocado o caderno nas certeiras, alguns alunos utilizam as próprias pernas ou outras cadeiras para copiar o dever que é passado pela professora.

Alguns alunos contactados pela reportagem disseram que a situação pode ser isolada em algumas salas, não em todas. Entretanto revelaram que as condições das carteiras realmente não são das melhores, mas grande maioria está em condições de uso.



Segundo a diretora da unidade diversos oficios já foram enviados para a secretaria de Educação, mas nenhuma providência ainda foi tomada. Nas redes sociais, informou ainda que as verbas que deveriam ser repassados a direção das escolas não chegam, o que impossibilita que qualquer ação que solucione o problema seja tomada. "Transferem a responsabilidade de quem de fato tem para o diretor, que todos os dias precisa tirar do bolso para comprar coisas pequenas como lampadas, parafusos, cadeados, torneiras, canos e descargas. Até complementos para fazer a merenda algumas vezes, e mesmo assim, ainda nos culpam por não agir." Desabafou a diretora em uma rede social.

Segunda a gestora escolar, além de solicitar da secretaria de educação a reposição de carteiras novas, pediu ainda conserto de freezers, colocação de tampas nos interruptores da escola, quadros brancos para algumas salas, além de manutenção em tanques e bebedouros, entretanto, nenhuma dessas e outras demandas foram atendidas até o momento.

A escola que tem 11 salas de aula é uma das maiores do município e mantém cerca de 600 alunos durante os três turnos, em sua grande maioria terminando o ensino fundamental 1 e 2. Em Abril, durante uma aula, um ventilador começou a pegar fogo, as más condições das instalações elétricas contribuíram para o incidente.

Por sua vez, a secretaria municipal de educação não se pronunciou oficialmente nos canais de comunicação oficiais da prefeitura sobre nenhum dos dois casos.