Quinta, 27 de Junho de 2019
Deputados e políticos locais denunciam empresa por danos socioambientais em Esplanada.
Litoral norte
Deputados e políticos locais denunciam empresa por danos socioambientais em Esplanada.
Informações: Ascom dos deputados
Postado 18/05/2019
Imagem: Reprodução/Ilustração

A deputada federal Lídice da Mata e o estadual Alex Lima (PSB-BA) vão denunciar a empresa Copener Florestal por danos socioambientais na região da Costa dos Coqueiros. Segundo os moradores locais, a empresa, que possui licença ambiental para o plantio de eucalipto em Baixio, no município de Esplanada, não está dando a devida contrapartida à comunidade para os prejuízos causados pela derrubada de árvores centenárias em uma área de Mata Atlântica.

Os parlamentares e o secretário de Estado do Meio Ambiente, João Carlos, além de técnicos do Inema, participaram de um encontro promovido pelos moradores da região, que pedem por socorro. Na oportunidade, a presidente da Câmara Municipal de Esplanada, Meire de Ziel, entregou um documento para o titular da Sema, pedindo uma apuração da situação. De acordo com os líderes comunitários da região, a Copener não tem gerado os empregos suficientes para compensar os prejuízos causados ao meio ambiente. “Se for preciso pediremos a suspensão da licença ambiental desta empresa”, complementa a deputada Lídice da Mata, que defende mais diálogo entre a companhia e os moradores locais.

Alex Lima afirmou que a empresa está fazendo mal à região e também denunciou o excesso de cargas transportadas pelos caminhões da Copener, o que, segundo ele, tem danificado as rodovias estaduais que cortam o Litoral Norte da Bahia. “Não podemos aceitar a truculência e arbitrariedade deles”, disse.

O secretário estadual do Meio Ambiente, João Carlos Oliveira, criticou a monocultura do eucalipto e a classificou como preocupante. Ele falou da importância do zoneamento econômico ecológico para beneficiar toda a comunidade da praia e entorno.

Engenheira agrônoma e especialista em meio ambiente, Tatiana Dantas, lembrou que a cultura do cultivo de eucalipto é irreversível, mas defendeu que a empresa precisa se adequar à realidade local com um projeto de zoneamento, o que ela considera a chave para a solução do impasse.

Também participaram do encontro o vice-presidente da Câmara, Zelito Pimenta, o vereador Gilson Lima e o ex-prefeito Rodrigo de Dedé.