Terça, 17 de Outubro de 2017
A Esplanada de slogans e clichês na política
A Esplanada de slogans e clichês na política
Ari Dantas

Sobre Ari Dantas
Professor, analista político

Somos seres içados pelas palavras. Nunca isso foi tão verdadeiro como nos dias de hoje. Diria mais, somos seres içados pelas palavras, pelos sons e principalmente, pelas imagens. Percebemos o mundo pelo o que é dito e visto, particularmente nas mídias escritas, televisivas ou digitais.

As novelas, os programas de humor, os realities shows e os políticos são fontes infindáveis de imagens e frases que norteiam nossa percepção de mundo que ora nos emocionam, nos alienam, nos fazem rir ou pensar.

Lembro-me de um slogan de um candidato a presidente do qual não recordo o nome mas nunca esqueci. A frase era: JUNTOS CHEGAREMOS LÁ!

Na época de Lula candidato quem nunca ouviu a frase: A ESPERANÇA VENCEU O MEDO¿ O saudoso Chico Anísio era um profícuo criador de bordões entre eles podemos listar: É MENTIRA TERTA¿ O POVO É SÓ UM DETALHE, E O SALÁRIO, Ó!!¿. Um dos ganhadores do Big Brother tornou muito popular o resignado bordão: FAZ PARTE! E por aí vai.

Já em nossa cidade lembro de um que me marcou pelo impacto, pelo apelo populista que foi: O POVO NO PODER! Foi esse slogan que deu inicio fase que consolidaria a carreira política quase que mitológica de Aldemir da Cruz.
Mas ainda em nível local temos o fenômeno da política profissional na figura de Rodrigo de Dedé, grande e inventivo criador de slogan e clichês políticos que marcaram o inconsciente e o consciente coletivo da nossa cidade. Como esquecer do NINGUÉM CALA ESSA VOZ¿ Como ficar indiferente ao slogan: A ESPLANADA DOS NOSSOS SONHOS¿
A inventividade eficiente, profissional e demagógica de Rodrigo de Dedé, junto ao seu poder de concentração e objetividade, o levaram a quebrar a hegemonia política de Aldemir da Cruz que parecia invencível.
Os slogans que nos afetam e que influenciam nosso modo de ver nossa cidade diz muito de nós mesmos. Mostra que somos incapazes de sair dessa polaridade política levada ao extremo com a vitória de Rodrigo de Dedé. O máximo que fazemos é questionar o TUDO POR AMOR a ESPLANADA DOS NOSSOS SONHOS.
Somos uma sociedade dividida fragmentada não só no aspecto ideológico, onde duas forças políticas medem forças usando o povo como massa de manobra para realizarem seus projetos de poder e não projetos populares; somos divididos também no aspecto econômico e intelectual.

Somente uma minoria domina os discursos políticos e as versões sobre nossa cidade. Quase sempre por determinação mais de interesses pessoais, de pequenos grupos ou famílias, do que interesses da coletividade.

Somente poucas pessoas ou famílias que acessam os postos de comando. O estado municipal só troca de gestor, mas o modelo tem sido o mesmo. O clientelismo na mais pura acepção da palavra.
Não temos espaços para pensamentos independentes ou pior ainda, para uma opção política que pudesse ser uma síntese das pretensas qualidades dessas forças políticas hegemônicas, conservadoras e patrimonialistas que dominam nosso município há tanto tempo.
Slogans, clichês políticos são mercadorias midiáticas que têm o poder de manter a ordem como está: Desigual, demagógica e sem esperança. O bom é que o discurso do politicamente correto tem permanecido. Trocam-se os personagens dos discursos porque se mudam as lideranças políticas, mas o discurso permanece. Porque mesmo diante do engano dos slogans e clichês, todos nós sabemos o que é bom, o que é ético. Só precisamos praticar mais e falar menos.

Atualizado em 08 08 2017

Valéria Villares
Postado em 28 09 2017
Lula Ribeiro
Postado em 27 09 2017
Ari Dantas
Atualizado em 27 08 2017
Valéria Villares
Atualizado em 26 08 2017
Lula Ribeiro
Postado em 24 08 2017
Aroldo Dias
Atualizado em 08 08 2017
Valéria Villares
Atualizado em 04 08 2017
Rede News Online 2011 - 2017 © Todos os direitos reservados - 19 usuários online - Páginas visitadas hoje: 15656